23.2 C
Campo Grande
domingo, 5 de dezembro, 2021
- Publicidade -

Erik ten Hag e o conceito de “criar vários camisas 10” na sensação Ajax

Equipe holandesa mostra movimentação incessante para gerar espaços e está invicta na Liga dos Campeões Qual é o time com o artilheiro, o vice-líder em assistências e o terceiro melhor ataque da atual edição de Liga dos Campeões? Se você chutou os badalados Paris Saint-Germain, Real Madrid ou Barcelona, errou: é o Ajax, que se classificou para o mata-mata com a vitória por 2 a 1, de virada, no Besiktas.
Todo mundo esperava que o Borussia Dortmund fosse o primeiro colocado num grupo em que Sporting e Ajax brigariam pela segunda vaga. Mas os holandeses, que têm os brasileiros David Neres e Antony no elenco, surpreenderam e venceram todas as suas partidas na competição.
Tabela da Liga dos Campeões
Entenda por que o Ajax é o melhor clube formador da Europa
Erik ten Hag, treinador do Ajax desde 2017
Reprodução
O técnico Erik Ten Hag tem um conceito para explicar o futebol sensação que produziu 16 gols, número batido apenas pelo Bayern e Manchester City. É o que ele chama de “criar vários camisas 10 em campo” por meio de movimentações ágeis sem a bola para gerar espaço na defesa do rival. O conceito foi explicado numa entrevista para o canal de YouTube do Ajax.
Chamamos isso de criar vários números 10. Se posicionar entre as linhas. Você vê isso nos movimentos sem a bola. Dusan corre. O resto do time cria espaço para si mesmo com essas corridas sem a bola. Para destruir a defesa do oponente, você precisa de projeções sem a bola. É a chave do sucesso. O adversário reage e isso cria espaço
As corridas sem a bola que Ten Hag menciona nada mais são que movimentos rápidos, que acontecem quando o jogador não tem a bola, no setor da jogada. Por setor da jogada, entenda o lugar em campo onde a bola está. Não importa quem ou qual posição ocupa. O que importa é que quem está perto do companheiro com a bola deve correr para frente, de preferência em diagonal, de um lado ao outro.
Quem corrobora com a ideia é o lateral Noussair Mazraoui. Em entrevista ao Andy in de Auto, ele explica que a movimentação do Ajax não segue posições, mas sim movimentações incessantes.
O segredo da nossa tática é que não temos posição definida. Podemos estar em qualquer lugar. Antony pode jogar como camisa 10, Steven pode ser lateral e eu posso ocupar a posição dele de segundo atacante. Temos que nos movimentar muito para ser difícil de defender.
Veja, no exemplo: o lateral Joël Veltman recebe a bola. Os três que estão mais próximos dele fazem esse movimento de corrida para frente. Quando eles se movimentam, o adversário acaba perdendo o tempo de marcá-los, o que gera espaço e tempo para cada um deles. Por isso Ten Hag faz a correlação com o camisa 10: é a posição em campo de quem toca mais na bola, para, pensa, pausa.
Ao fazer essas corridas, o jogador cria um contexto em que pode exercer esse imaginário do 10, de ter tempo e espaço para pensar.
As corridas sem a bola do Ajax: adversário fica desorganizado
Reprodução
O treinador ainda analisa a movimentação por um outro prisma: o do adversário. Afinal, tudo é ação e reação. Os movimentos ajudam a criar uma condição desfavorável na defesa do PSV:
Joel dá a bola no tempo certo ao Donny, e as corridas sem a bola no centro criam uma situação de três contra dois no centro do campo: Van de Beek, Dolberg e Promes contra Luckassen e Dumfries.
Um ponto importante da analogia com o camisa 10 vem do imaginário. Todo jogador de futebol um dia já sonhou em ser protagonista. E protagonismo significa fazer diferença com a bola, com o passe e o gol. Ten Hag acredita que os movimentos sem a bola – que são repetitivos, chatos até – ajudam o jogador a aumentar as chances desse protagonismo.
Veja como, na sequência do lance, Dolberg – que começa lá atrás – corre sem a bola e cria o espaço para ele apenas fazer o gol. E a defesa do PSV é toda enganada: sai de um contexto de desvantagem numérica para deixar a própria área quase vazia.
Jogada termina com Dolberg livre: o contexto que cria o espaço
Reprodução
O que Ten Hag chama de “criar vários camisas 10” é também um conceito de treino. O jogo de futebol é muito mais aleatório, caótico e decidido nos detalhes. Já o treino…não. O treino é ciência pura. É um ambiente controlado, vigiado e supervisionado, no qual o trabalho do treinador é preponderanete para estimular um time a jogar de determinada forma, um jogador a aprimorar um determinado artifício ou até aprender um novo.
Estímulo. Afinal, o futebol é humano. O treino serve para estimular um grupo a ter comportamentos – a fazer uma coisa de uma determinada forma num ambiente de muita pressão, e agora que a pandemia está acabando, com torcida. Os movimentos sem a bola podem ser estimulados por regras específicas, trabalhos de repetição, correções com vídeos ou no tete-a-tete, no papo mesmo.
Quer um exemplo? O gol de Haller que abriu a virada do Ajax, dois anos depois do exemplo mostrado acima, tem exatamente o mesmo conceito: corridas sem a bola.
Um defensor recebe a bola e Tagliafico, o lateral direito, faz a corrida por dentro, quase que na mesma linha de Haller. Berghuis, o meia, também corre num espaço entre as linhas, e o próprio atacante se movimenta. Todos estão a pelo menos 20 metros da bola – o que torna o passe mais difícil, mas sabem que será o movimento que vai gerar o espaço e o tempo para eles poderem ser 10.
Gol do Ajax nasceu do mesmo conceito implementado no clube há anos
Reprodução
Esse conceito, como todos os conceitos e ideias no mundo (no futebol e na política), tem que ser bem aplicado para dar certo. Não é a ideia, pela ideia, que dita o sucesso. É como ela é colocada em campo. Por isso que é tão importante mencionar o papel do treino aqui: quando um treinador sabe o que faz e como estimula seus jogadores, ele aproxima todos da melhor execução.
Também há o peso do contexto. Contra times que se defendem lá atrás, é preciso de mais do que corridas sem a bola. Pode ser que manter dois pontas ou dois laterais abertos ajude a criar espaço. Ou um nove mais pesadão, banheira, prenda um, dois ou até três zagueiros. O City, que venceu o PSG numa atuação poderosa, mostrou como a amplitude pode ser benéfica, assim como o Barcelona, que construiu diversas chances no Benfica assim.
+ Xavi apresenta seu 3-4-3 e um meio-campo dominante no Barcelona
ten Hag, que foi pedido no Barcelona, especulado no Tottenham e está na mira do Manchester United, mostra que domina treino, conceito e contexto no melhor futebol da Liga dos Campeões até aqui. Futebol digno de vários camisas 10 em campo.
Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Fonte: Globo Esporte

Comentários do Facebook

Confira também

- Publicidade -

AS MAIS LIDAS

- Publicidade -
- Publicidade -
Comentários do Facebook