21.8 C
Campo Grande
domingo, 4 de dezembro, 2022
- Publicidade -

DEFINIDA EMPRESA QUE VAI EXECUTAR 1ª ETAPA DE VIA ESTRUTURANTE NO NOVA CAMPO GRANDE

Foto: Denilson Secreta

A Prefeitura de Campo Grande planeja iniciar no próximo semestre os dois primeiros lotes das obras das vias estruturantes que beneficiarão os bairros Santa Emília, São Conrado, Serradinho e Nova Campo Grande. O projeto orçado prevê a execução de 13,3 km de asfalto, 15,2 km de drenagem, 11,6 km de ciclovia e uma ponte de 40 metros sobre o Córrego Imbirussu, segunda travessia para o Polo Empresarial Oeste.

Nesta semana a prefeita de Campo Grande Adriane Lopes homologou o resultado da concorrência pública vencida pela Engevil Engenharia que vai executar as obras dos lotes 1 e 2. Está programada a execução de 3,7 km de drenagem, 7,3 km de pavimentação e 4,6 km de ciclovia. Nesta etapa serão asfaltadas as avenidas Wilson Paes de Barros (entre as ruas 90 e Praia Grande), Três, Sete, 84 e 79.

Essas vias, segundo o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Rudi Fiorese, vão se conectar a malha viária pavimentada no Nova Campo Grande, com a extensão do asfalto da Avenida 7. A Wilson Paes de Barros no terceiro lote de obras das vias estruturantes será duplicada desde a Avenida Duque de Caxias (perto do Aeroporto Internacional) e prolongada até o futuro ponto de conexão com a Avenida General Carlos Mendonça.

Esta via, que é uma linha divisória dos bairros Santa Emília e São Conrado desde a Avenida Lúdio Coelho, será estendida até Avenida Jamil Naglis no Polo Empresarial Oeste, contornando a Nova Campo Grande. A nova malha vai reduzir em 10 km o acesso dos moradores desta região ao aeroporto e ao núcleo industrial.

Drenagem e controle de enchentes

Além de asfalto com abertura de uma malha viária que vai viabilizar a ocupação de vazios urbanos, o projeto das vias estruturantes vai ter alto investinento em soluções de drenagem que eliminarão pontos de alagamento. Esta prevista a implantação de três piscinões com capacidade para reter mais de 90 milhões de litros.

Além dos piscinões, o projeto de drenagem prevê a implantação de 1,4 km de colchões drenantes. São estruturas de pedra que retém a água e impede que suba para a superfície danificando o pavimento.

Comentários do Facebook

Confira também

- Publicidade -

AS MAIS LIDAS

- Publicidade -
- Publicidade -